Psicóloga Beatriz Fonseca

Coisas que nunca te contaram sobre suas emoções e sua relação com a comida

comer emocional

Já parou para pensar em como suas emoções podem influenciar no que, e ainda mais, em como você come?

Olá, queridos! Como vocês estão?

No post de hoje, quero conversar um pouco com vocês sobre um assunto de extrema importância que, às vezes, é pouco comentado, ou passa despercebido: a relação entre o que comemos, como comemos e as nossas emoções!

Você já parou para pensar nessa relação? Não?! Então vamos refletir juntos agora!

Imagine essa cena: você chega em casa após um longo dia de trabalho, exausto(a) e ansioso(a). O que você faz? Aposto que, muitas vezes, recorre à comida como uma forma de conforto, de aliviar o estresse e encontrar um momento de prazer. É como se a comida pudesse preencher um vazio emocional temporariamente, não é mesmo?

Eu entendo perfeitamente, pois já passei por situações semelhantes. A comida, muitas vezes, torna-se um refúgio, uma forma de lidar com emoções intensas. Mas é importante compreender que essa relação entre emoções e alimentação pode se tornar disfuncional, afetando negativamente nossa saúde e bem-estar.

Quando estamos passando por momentos difíceis, tristes, estressantes ou ansiosos, é comum buscarmos conforto na comida. Afinal, ela pode nos proporcionar uma sensação momentânea de prazer e distração. No entanto, isso pode levar a um ciclo vicioso, onde comemos para lidar com as emoções, mas, em seguida, nos sentimos culpados ou envergonhados pelo excesso ou por considerar nossas escolhas pouco saudáveis.

A chave para uma relação mais saudável com a comida está na regulação emocional. É fundamental aprendermos a identificar nossas emoções, compreendê-las e buscar formas mais saudáveis de lidar com elas, em vez de recorrer à comida como única saída.

“E como posso regular essas emoções e atingir essas mudanças?” – você deve estar se perguntando. E, aqui, eu vou te apresentar um caminho que pode te ajudar!

A melhor forma hoje disponível para aprender a reconhecer, compreender e lidar com suas emoções é a terapia!

A terapia cognitivo-comportamental (TCC), em especial, tem se mostrado muito eficaz nesse processo de regulação emocional e mudança de comportamento alimentar. Através do trabalho conjunto com uma psicóloga, é possível explorar as emoções que estão por trás dos hábitos alimentares disfuncionais, identificar gatilhos emocionais e desenvolver estratégias para lidar com eles.

Entender que a comida não pode preencher o vazio emocional é o primeiro passo. A partir daí, é possível explorar outras formas de cuidar de si mesmo e buscar o equilíbrio emocional. Praticar atividades prazerosas, como exercícios físicos, meditação, ler um livro ou conversar com amigos, são algumas alternativas saudáveis para lidar com as emoções sem recorrer à comida.

Lembre-se de que você não está sozinho(a) nessa jornada! Se você se identificou com essa relação entre emoções e alimentação, busque apoio de um profissional de saúde mental. Uma psicóloga especializada em comportamento alimentar poderá auxiliar você nesse processo de regulação emocional e desenvolvimento de uma relação saudável com a comida.

Para finalizarmos, quero te lembrar que a mudança começa de dentro para fora. Cultivar um relacionamento saudável com a comida é um ato de amor próprio e autocuidado. Permita-se explorar suas emoções, encontrar novas formas de lidar com elas e redescobrir o prazer de uma alimentação equilibrada e consciente.

Estou aqui para te apoiar nessa jornada.

Com carinho,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *